[RESENHA] Flores da Ruína – Patrick Modiano

flores_SAIDA_1d

Título: Flores da Ruína
Autoria: Patrick Modiano
Editora: Record
Nº de páginas: 144
Gênero: Ficção literária
Nota: ★★★

 

 

Em 24 de abril de 1933, dois jovens cônjuges se suicidam em seu apartamento em Paris. Naquela noite, eles teriam se encontrado com diversas pessoas e foram dançar. Trinta anos depois, o narrador tenta reconstruir a história deles, que parece se cruzar com a sua própria. Cada pergunta suscita outras, como um eco, ao curso de andanças fantasmagóricas por Paris, de lembranças que retornam à memória…

Minha história com o Modiano – Nobel de Literatura de 2014 – é bem peculiar. Eu e o maridão temos os três livros que a Record publicou dele – Remissa da Pena, Flores da Ruína e Primavera de Cão – mas estavam lá, jogados, nunca antes lidos. Um dia chuvoso, decidi que queria ler ~literatura séria~. Peguei Primavera de Cão. Absolutamente fantástico. Descobri que esse era o terceiro da “trilogia”. Fiquei muito irado. Peguei Remissa da Pena. So-so. Peguei Flores da Ruína. É desse que vou falar agora. Mas o sentimento que fica é: como diabos esse cara ganhou o Nobel? Não que eu seja tiete do Murakami (Mumuzinho para os íntimos), mas é difícil acreditar que os livros do Modiano representem o suprassumo da ficção literária mundial.

Flores da Ruína é melhor que Remissa da Pena para mim, mas, ainda assim, inferior a Primavera de Cão. É mais um desses Livros sobre Paris que Modiano parece sempre escrever, sem um enredo firme, composto de vários causos com vários personagens aparentemente comuns dele – os homens mais velhos misteriosos, as belas jovens fugindo de um opressor, as mulheres mais velhas confiantes e protetoras, os universitários, esse tipo de coisa.

Este parece ser dividido em duas partes muito claras: a primeira, que trata de um suicídio duplo – um red herring, um “false start”, porque este suicídio nunca é examinado até o fim e nem é importante; o autor o abandona e deixa que os outros causos tomem conta da narrativa – que é cheia de referências confusas a Paris e à França, e um segundo que trata dos causos comuns modianescos.

A escrita dele é sempre simples e confortável, e eu gosto bastante de ouvi-lo falando dos causos – mais do que ele enrolando sobre Paris – mas, realmente, senti que faltou um personagem em especial para que fosse aprofundado. Em Primavera de Cão há Francis Jansen, que é o fio condutor do livro todo; em Remissa da Pena há a trupe que toma conta do protagonista e do irmão, em especial Annie e Helène; neste, há “Pacheco” – o homem mais velho misterioso à Jansen – e a Dinamarquesa – a mulher mais velha confiante à Annie – mas nenhum dos dois toma o papel de fio condutor da narrativa.

Mas uma coisa que gosto muito na narrativa dele é a nostalgia: o senso de nostalgia, o jeito que ele fala de Paris, das pessoas que surgem e vão, da expectativa de um tempo que já se foi e não voltará… assim até eu sinto falta da França.

É um bom livro, mas nada excepcional. Não é o ideal para se começar a ler Modiano, imagino. Deixo isso com Primavera de Cão. Esse sim trata de temas muito mais claros e muito mais profundamente.

(Cara, como foi que ele ganhou o Nobel? Fica aqui a dúvida, porque fora Primavera de Cão, não vi nada extremamente excepcional dele… talvez nada ainda tenha sido publicado no Brasil… oh não, estou modianando, mandando essas reticências infinitas…)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s